Inspire-se em 7 ideias de como criar uma empresa inovadora

Não sabe como criar uma empresa inovadora? Confira alguns passos fundamentais que se aplicam a qualquer tipo de negócio. Torne sua Start-up ou organização de grande porte em uma máquina de inovação.

Escrito por:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
empresa inovadora

A emersão da quarta revolução industrial trouxe diversas mudanças ao mundo dos negócios. Logo, para que uma organização permaneça competitiva, é preciso inovar com certa recorrência. A grande questão é: como cariar uma empresa inovadora?

Há muitas táticas possíveis, por exemplo, enfraquecer a estrutura hierárquica, criar uma cultura de empreendedorismo e estimular boas ideias. Ao usá-las com acerto, os talentos poderão pensar fora do lugar-comum e ter ânimo para promover mudanças.

Nós reunimos tudo o que precisa saber sobre o tema e destacamos 7 ideias de como criar uma empresa inovadora. Por essa razão, continue a leitura com atenção!

1. Gere muitas ideias no local de trabalho

A inovação não surge do nada, ela é resultado de uma série de ideias que foram filtradas e lapidadas. Por causa disso, quando mais boas ideias tiver, mais provável será criar uma empresa inovadora e promover mudanças fora do lugar-comum.

Uma ótima dica para despertar o espírito criativo do time é iniciar reuniões de brainstorming — em tradução livre “tempestade de ideias”. Consiste em reunir o time para gerar novas ideias e solucionar problemas do ambiente de trabalho.

Em resumo, a reunião começa com a conscientização do problema. Por exemplo, gastos muito acima da média. Depois, de maneira livre, os profissionais podem gerar ideias para solucionar o problema e as melhores, lapidadas, serão postas em prática.

2. Faça melhorias na comunicação

Não existe um processo claro para gerar novas ideias e inovar, porém, sem dúvida, a comunicação é importante. Quando os profissionais deixam de dialogar, os problemas surgem e a criatividade é diretamente prejudicada. Então, invista na comunicação.

O líder é um dos principais atores para que haja diálogo. Ele deve mostrar aos subordinados que o assunto é importante e também deve cascatear as informações certas. Desse modo, ninguém se sentirá desinformado ou excluído.

Outra estratégia importante é integrar novos canais de comunicação, como aplicativos mobile, murais de recados ou redes sociais corporativas. Eles devem ser selecionados de acordo com o perfil dos colaboradores, assim todos poderão ficar engajados.

3. Gerencie o medo da mudança

A inovação pode ocorrer de diferentes formas, até mesmo na mudança do modelo de negócios. Quando ela é profunda, diversas coisas precisam mudar e é comum que o time crie algum tipo de resistência — em geral, por medo do novo.

O gestor deve saber administrar esse medo. Isso começa com um bom diálogo. É preciso informar aos profissionais o que vai mudar e por qual razão. Assim, todos podem ficar mais tranquilos e até colaborar para que essa transição tenha êxito.

Outra possibilidade é fragmentar a inovação em pequenos blocos de mudança. Assim, em vez de mudar o que é preciso de uma única vez, o gestor faz isso aos poucos e enfrenta uma menor resistência dos profissionais. No fim, todos saem beneficiados.

4. Flexibilize a estrutura hierárquica

Há tempos a estrutura hierárquica é baseada no comando e controle. Isso significa que existe um líder e um subordinado, que deve acatar suas ordens. No entanto, isso gera um ambiente de trabalho rígido e pouco criativo, sem muita margem para inovar.

A ideia é flexibilizar a estrutura hierárquica. Permita que os profissionais tomem decisões relevantes sem depender dos seus superiores, estimule a liderança exemplar e elimine frases do tipo “aqui, manda quem pode e obedece quem tem juízo”.

Algumas empresas, como a Zappos, vão mais longe e adotam uma estrutura chamada de “holocracia”. Nesse caso, os cargos de chefia são eliminados e os profissionais passam a trabalhar em times autogerenciáveis, geralmente em torno de projetos.

5. Tenha tolerância ao erro e não à incompetência

Um paradoxo que está no centro das empresas inovadoras é a tolerância ao erro e intolerância à incompetência. Elas sabem que ao inovar é comum falhar e tentar de novo — várias vezes — mas isso não deve ocorrer pela incompetência dos atores.

Nesse caso, a dica é: falhe rápido e tente novamente. Se não deu certo da primeira vez, mas a ideia é boa, tente mais duas ou três vezes antes de desistir. A persistência é uma competência muito importante e deve fazer parte do DNA das empresas inovadoras.

Mas que fique claro: o erro não deve ser pela simples incompetência dos colaboradores. Todos, do topo à base da pirâmide empresarial, devem contar com as competências, habilidades e atitudes certas para entregar ótimos resultados nas suas tarefas diárias.

6. Invista em programas de intraempreendedorismo

Uma grande quantidade de talentos desejam empreender e solucionar problemas que existem no mercado. Para tanto, pensam que é preciso sair da empresa e começar um negócio do zero, o que não é verdade. É possível empreender dentro do trabalho.

Nesse sentido, cabe à alta liderança criar uma cultura de intraempreendedorismo. Os talentos devem sentir que podem inovar e solucionar problemas sem precisar pedir demissão. Muitas empresas já fazem isso, por exemplo, a 3M company e a Google.

Para tanto, permita que os profissionais apresentem projetos pessoais à alta liderança e que os melhores projetos, alinhados à visão da empresa, sejam desenvolvidos dentro da própria organização. Logo, além de reter grandes talentos, conseguirá inovar sempre.

7. Utilize novas tecnologias

A inovação não deve ser diretamente associada às novas tecnologias, mas é inegável que sistemas de ponta contribuem para criar um ambiente mais produtivo e fora do lugar-comum. Por causa disso, também é preciso aproveitar as melhores tecnologias.

Para integrar boas tecnologias, comece com uma análise do ambiente de trabalho. Questione-se sobre o que não vai bem. Busque por uma tecnologia que elimine os gargalos que atualmente existem, como a falta de controle financeiro ou de comunicação.

Bom, agora você sabe como criar uma empresa inovadora. Não há um passo a passo prévio, é preciso verificar o que melhor se encaixa em sua empresa. No entanto, juntar o time para gerar muitas ideias, investir na comunicação, administrar o medo da mudança e flexibilizar a estrutura de trabalho são sempre ótimas opções. Aproveite-as.

Gostou do nosso artigo, certo? Aproveite para nos seguir nas redes sociais e ficar sempre por dentro das novidades — estamos no Instagram, no Facebook, no YouTube e no LinkedIn.

Lembre-se de compartilhar este artigo!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Receba as últimas novidades sobre treinamentos e desenvolvimento humano

tudo sobre desenvolvimento de pessoas, capacitação & RH.

Mais do Portal

ser proativo

Descubra como ser proativo

O que significa ser proativo. O que fazer para desenvolver a proatividade. Como saber se você tem iniciativa. Entenda a diferença entre ser proativo e reativo.

employee experience

O que não é Employee Experience

O que Employee Experience não é, significado, exemplos, vantagens, employee branding, employee journey, experiência do funcionário, implementação e guia.

ser proativo

Descubra como ser proativo

O que significa ser proativo. O que fazer para desenvolver a proatividade. Como saber se você tem iniciativa. Entenda a diferença entre ser proativo e reativo.

Conheça um de nossos treinamentos pela voz do nosso CEO.
Vídeo online sem interação humana.

Assistir agora

Fique por dentro dos próximos treinamentos, webinários ao vivo e programe-se para participar de algum deles no melhor momento para você.

Agendar

Quer mais informações?
Descubra como o Google, Facebook, Bradesco, Syngenta e outros clientes tem investido na formação de seus líderes e como você pode trazer nossas metodologias para sua empresa.

Solicitar contato