Departamento de recursos humanos: tudo o que você precisa saber

RH: O que é, o que faz e seu papel em uma empresa. Como o departamento pessoal deve ser. Como fazer gestão de RH; e quais os benefícios e desafios desta área.

Escrito por:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
departamento de recursos humanos

Quando falamos em áreas importantes dentro de uma empresa, é quase que instantâneo pensar no departamento de Recursos Humanos, não é mesmo? Mas, apesar de sabermos que o RH é um dos pilares para qualquer organização, nem sempre entendemos exatamente quais são as suas funções, os profissionais que fazem parte dele e qual é realmente o seu objetivo.

Para começar, é bom entender o significado de departamento de Recursos Humanos. É ali, por exemplo, que serão desempenhados os papeis de seleção, contratação, treinamento e desenvolvimento de pessoas, motivação, engajamento, reconhecimento, atração e retenção de talentos — ações que são fundamentais tanto para os profissionais, como para a empresa.

E tem muito mais assunto para falarmos. O que acha de continuar a leitura e se aprofundar sobre o tema? Confira abaixo e guarde este material para consultas futuras!

1. Como funciona o departamento de Recursos Humanos

A primeira coisa que você tem que ter em mente é que o departamento de Recursos Humanos é feito basicamente de serviços. E suas funções variam bastante de acordo com o tipo de empresa em que estão inseridas ou prestam trabalho, mas sempre com foco na integração eficaz tanto dos colaboradores como de todos os outros setores da organização.

Um dos objetivos principais para essa área é o de buscar sempre os melhores resultados, como a participação dos profissionais nos projetos da empresa, bem como no crescimento dos negócios e consolidação da empresa como referência no mercado — no caso como um bom lugar para trabalhar; organização que respeita e valoriza os colaboradores etc.

Além disso, vale destacar alguns dos serviços feitos pelo departamento. Tais como:

  • Ajudar e ser ponto de apoio para ações e organização da empresa, seus gestores e colaboradores;
  • Descrever e detalhar as responsabilidades dos profissionais, o que deverá ser desempenhado por eles nas suas funções, e estabelecer o escopo dos cargos e qualidades e habilidades que o colaborador precisa ter para ocupar tal trabalho;
  • Avaliar a equipe de forma a ter uma noção clara de como anda o desempenho de cada um, e em paralelo ajudar no desenvolvimento de líderes;
  • Fazer o melhor recrutamento possível para acertar na contratação de pessoal para as posições em aberto;
  • Treinar, desenvolver e criar programas, proporcionar cursos de capacitação ou qualquer atividade que seja fundamental para um melhor desempenho dos profissionais, além de estimular o conhecimento dentro da empresa;
  • Ter à disposição ajuda ou profissionais que possam oferecer apoio psicológico aos colaboradores, com o intuito de manter um bom clima organizacional, maior harmonia entre as equipes, e ainda como parte fundamental para contornar problemas de relacionamento e pressão do dia a dia;
  • Estabelecer, incentivar e controlar os benefícios oferecidos aos profissionais;
  • Manter sempre atualizadas as políticas da empresa, como em formatos de boletins, newsletters, reuniões, contatos pessoais, comunicações em geral;
  • Cuidar também da segurança, qualidade de vida e da saúde dos colaboradores;
  • Garantir que a diversidade seja seguida, proporcionando um local de trabalho rico de profissionais com experiências e perfis diferentes — o que também contribui enormemente para que a empresa alcance o sucesso tanto no mercado nacional como em mercados internacionais, de forma global.

2. Evolução do departamento de Recursos Humanos

Se tem algo que vem mudando com o tempo, esse é o departamento de Recursos Humanos. Só para você ter uma ideia, algo que mais se transformou ao longo dos anos foi a questão de as empresas darem valor a humanização de seu ambiente interno. Antes, até mais ou menos o início do século XX, os colaboradores eram vistos apenas como uma força de trabalho.

Sem voz, sem importância, e de fácil substituição, antigamente os profissionais figuravam apenas como números de uma organização. O principal papel deles era de atender a toda e qualquer demanda produtiva que a empresa necessitava, e isso tudo sem o direito de questionar, reclamar, exigir ou até mesmo opinar e sugerir mudanças.

Esse tipo de gestão tinha um nome, Fayolismo, e significava que os funcionários de uma empresa deveriam respeitar totalmente a hierarquia estabelecida, a de cima para baixo, em que os líderes tinham total poder sobre os subordinados. Em outras palavras, os colaboradores tinham por obrigação aceitar e cumprir todas as regras impostas no ambiente de trabalho.

Um detalhe importante: nesse período já existia um esboço do departamento de Recursos Humanos, mas o desempenho da área não era ainda bem definido, e o principal papel do RH era mesmo o de fazer o intermédio entre empresas (na maioria indústrias) e profissionais, no âmbito de contratação e demissão, com foco apenas na produtividade e eficiência.

A mudança vem com o tempo

Já a partir da década de 1920 esse cenário começou a mudar, impulsionado pelo surgimento da Escola das Relações Humanas, o início de toda a transformação que fomos vendo até os dias atuais. Desde então, o RH foi inserindo nas políticas das organizações a ideia de que é preciso humanizar e cuidar com a qualidade de vida dentro e fora do trabalho.

Além disso, o conceito de que é importante ouvir mais os colaboradores, respeitá-los, reconhecer suas habilidades e experiências, bem como mostrar mais abertura para novas ideias e sugestões (bem como as críticas) foram outros passos fundamentais que começaram a ganhar mais e mais espaço no decorrer dessas últimas décadas.

Hoje, o que vemos são vitórias fundamentais para um olhar diferenciado aos profissionais. O que antes era visto como sem importância, os dias atuais são marcados pelo trato na satisfação dos colaboradores de uma empresa, como é possível que eles se sintam mais felizes e realizados, para, assim, atingirem um alto grau de qualidade em todas as suas tarefas.

Diante de tantas melhorias com as mudanças, ficou visível o quão necessário é ter um departamento de Recursos Humanos ligado diretamente nas estratégias dos negócios. Vale reforçar ainda que hoje o capital humano é considero uma das maiores riquezas de uma organização, sendo valorizados e colocados sempre em destaque — o que faz toda a diferença.

3. Desafios do departamento de Recursos Humanos

Se de um lado nós conseguimos perceber claramente as melhorias no departamento de Recursos Humanos ao longo dos últimos anos, do outro não podemos esquecer de que, mesmo assim, ainda existem vários desafios para a área. Um deles é, sem dúvidas, a questão da transformação digital e do ROI em Recursos Humanos.

Para compreender melhor quais são esses desafios, listamos abaixo alguns dos mais importantes para você conhecer. Veja!

3.1. Adaptação à nova forma de contratar

Como vimos, o capital humano é fundamental para o crescimento de qualquer empresa. Sendo assim, a forma de contratação hoje é um dos momentos mais importantes na hora de formar equipes, reformular projetos, encontrar profissionais a altura das funções com demanda na organização.

Antes, por exemplo, bastava contratar uma pessoa que demonstrasse o mínimo de aptidão para o que estava sendo proposto. Já na atualidade isso é completamente diferente, é preciso levar uma série de fatores na contratação dos profissionais. Alguns pontos como a qualidade do trabalho, experiência, expectativa, habilidades, entre outros, são fatores determinantes.

O que é fundamental nesse desafio é conseguir mesmo se adaptar a esses formatos novos de contratação, principalmente quando falamos em entrevistas (que podem ser por meio de ferramentas tecnológicas), ajuda de inteligência artificial para aprimorar a busca por profissionais, e muitas outras plataformas que usam da tecnologia com foco no RH.

3.2. Entender do novo modelo de gestão de equipe

Mais uma vez precisamos reforçar o quão diferencial é uma empresa que aposta em um modo novo de gerir pessoas. Isso quer dizer, por exemplo, que a valorização dos colaboradores pode transformar todo o crescimento da organização, além de proporcionar um dialogo sempre aberto e consistente entre líderes e sua equipe.

Vale lembrar ainda que com o uso cada vez maior de tecnologia na nossa vida como um todo, impacta também na forma como nos comportamos dentro do ambiente de trabalho. Ao procurar uma empresa para tentar uma oportunidade, a questão de a expectativa em poder contribuir, trazer ideias novas, crescer e gerar resultados bons está presente no candidato.

Não apenas isso, quanto mais se deixa para trás visões arcaicas de como é a gestão de pessoas, mais chances a empresa tem em conseguir reter talentos, formar boas equipes, incentivar o aprimoramento dos profissionais, e ainda desenvolver melhor o seu capital humano.

Quanto ao profissional de RH, ele precisa ter domínios consistentes em reter e atrair bons profissionais, e ter bem desenvolvida a sua inteligência emocional para atuar diretamente com esse contato.

3.3. Dominar o uso de ferramentas em nuvem

Anote esta observação: se a sua empresa ainda não usa ferramentas tecnológicas para a gestão da organização como um todo, esse momento não tardará a chegar. Com as últimas mudanças no cenário global, principalmente quando falamos em trabalho remoto, facilidades de acompanhamento da atuação da equipe, entre outros, isso se tornou fundamental.

Um bom exemplo dessas tecnologias são os armazenamentos em nuvem, os chamados cloud computing. Com eles, você pode subir todos os documentos importantes do departamento de Recursos Humanos, atualizar, compartilhar entre outras pessoas do setor dentro da empresa, e até mesmo proporcionar uma série de atividades, tudo online.

A questão maior aqui é conseguir se adaptar aos novos tempos. As novas modalidades de trabalho, e de gestão da empresa. E o RH é um dos mais afetados diretamente, pois contratações não param de acontecer, ações precisam ser continuadas, e todos os dados dos colaboradores mantidos em total segurança.

3.4. Melhorar os processos de comunicação

Como anda a comunicação interna e externa da sua empresa? Saber se comunicar é um grande desafio, até porque precisamos falar e nos expressar com clareza para que o interlocutor entenda toda a mensagem que está sendo passada. Nesse sentido, o departamento de Recursos Humanos precisa atuar com maestria na comunicação.

Um exemplo é quanto aos gestores. A sua equipe de líderes está bem munida de comunicação com qualidade com os outros colaboradores? E o seu próprio setor de RH, responde bem todas as dúvidas e anseios dos profissionais da organização?

Mais uma vez, a tecnologia pode ajudar nesse sentido! É possível apostar em ferramentas que facilitem a comunicação entre equipes, com o público exterior e até mesmo para conseguir encontrar os talentos ideais para as vagas em aberto da sua empresa.

3.5. Saber equilibrar os interesses entre empregador e empregado

Eis aqui mais um grande desafio para o departamento de Recursos Humanos: o equilíbrio entre o que a empresa precisa e o que o colaborador necessita. Só para ter uma ideia, às vezes a organização precisa investir na contratação de um ótimo profissional, mas não tem caixa suficiente para isso. Porém, com os argumentos e dados certos, o RH pode mostrar como.

Ou ainda quando a empresa prometeu aumento de salário a cada ano, mas, isso não ocorre já há algum tempo. Os colaboradores começam a pedir algum retorno quanto ao prometido, e o RH pode fazer esse “link” entre o que a organização pode conseguir e quais foram os motivos que levaram ela a não cumprir o prometido.

Em uma análise mais profunda, esse equilíbrio é essencial para conseguir até mesmo conciliar o orçamento de RH com que a empresa pode destinar ao setor, mesmo tendo em vista que a área é uma das mais importantes para a engrenagem de qualquer negócio.

4. Por que e como fazer gestão de RH

A gestão de pessoas, também conhecida como gestão de Recursos Humanos, é um conjunto de habilidades, práticas e métodos que tem como objetivo melhorar e potencializar o capital humano de uma empresa. Além disso, também atua fortemente no entendimento de comportamentos, ligados aos perfis de cada um dos colaboradores da empresa.

A gestão de RH precisa ter um profissional que seja ainda analista de treinamento, por exemplo. Isso porque essa pessoa pode ajudar na seleção de profissionais que atuam em um determinado segmento da empresa, mas que podem ter um potencial muito melhor aproveitado em outra equipe. Ou seja, é questão de gestão.

É importante frisar ainda que a gestão de RH pode ser feita tendo como pilar alguns fatores, como:

  • Foco na produtividade da equipe e de cada colaborador;
  • Desenvolvimento de feedbacks que auxiliem no crescimento dos profissionais, bem como na correção de problemas;
  • Manutenção de questões motivacionais, formas de atuar para estimular o engajamento dos colaboradores, e ainda um grande foco na cultura organizacional da empresa;
  • Desenvolvimento dos colaboradores da empresa, visando criar possibilidades de crescimento, amadurecimento e experiência no que fazem. Isso é, inclusive, um dos papeis mais importantes hoje em dia dentro do departamento de Recursos Humanos;
  • Pesquisas de benchmarking, com o intuito de trazer as melhores práticas aplicadas no mercado, como salários, benefícios, cargos, flexibilidades e novos formatos de trabalho;

5. Importância e benefícios do departamento de Recursos Humanos

Para uma empresa atuar de forma positiva no mercado e ter como aliados os colaboradores ideais para os seus objetivos, o departamento de Recursos Humanos é de extrema importância. Conforme vimos nos tópicos anteriores, é nesse setor da organização que acontecem várias tomadas de decisões, bem como a gestão do capital humano.

Ao mesmo tempo, essa área trabalha em conjunto com a empresa para que os profissionais estejam sempre caminhando em sintonia com o restante do negócio, além de ser uma das bases para que a comunicação interna ocorra da melhor maneira possível. E se a comunicação flui, as chances de resultados positivos são melhores.

Para visualizar melhor alguns dos benefícios desse departamento, separamos abaixo alguns deles. Confira:

Contribui para uma melhor previsão de gastos

Quando falamos em previsão de gastos de uma empresa, precisamos sempre colocar na balança questões como contratações, benefícios aos colaboradores, investimentos em treinamentos e capacitações, pacotes de incentivo a educação, e até mesmo estar preparado para o turnover.

Quando a sua empresa realmente tem um bom departamento de Recursos Humanos, você consegue também fazer estimativas do que será gasto ao decorrer do ano, em projetos, novas iniciativas, entre outros. Dessa forma, é válido também fazer ao menos 2 balanços por ano para conferir se os gastos de RH estão compatíveis com as necessidades da empresa.

Antecipa a demanda por novos profissionais

Imagina a seguinte situação: a área de tecnologia da sua empresa está em crescente expansão, principalmente depois do aumento pela procura por soluções remotas para empresas. No departamento de Recursos Humanos, por exemplo, já havia sido antecipado que em poucas semanas isso iria ocorrer, o que, naturalmente, demandaria a contratação de profissionais.

Como o RH detectou isso com certa antecedência, o plano de correr contra o tempo e encontrar esses futuros colaboradores pode ser tirado da gaveta rapidamente. Antes mesmo da empresa acender o alerta de que precisa “para ontem” dessa nova mão de obra, a área já tinha montado toda a estratégia necessária para conseguir isso em tempo hábil.

Entende como funciona o mercado

Com tantas mudanças ocorrendo a cada dia que passa, é fundamental acompanhar o mercado para entender de que forma deve-se atuar, como se posicionar, bem como quais são as formas mais inteligentes e modernas de gestão em Recursos Humanos. Nesse sentido, mais uma vez o departamento de RH mostra o seu valor.

Como ele é composto por profissionais que entendem muito de como todo esse relacionamento é feito — e indo além, como na busca pelas melhores práticas para o ambiente de trabalho —, a sua empresa estará bem mais preparada para se inserir de maneira exemplar entre os concorrentes, ou até se tornar referência.

Quando você encontra premiações importantes como o “Great Place to Work”, ou em português “As melhores para trabalhar”, pode ter certeza de que uma grande equipe de RH está por trás das estratégias de satisfação e desenvolvimento dos profissionais que votaram nos seus próprios lugares de trabalho como sendo os melhores.

6. Tendências e seus impactos do departamento de Recursos Humanos

E como viemos falando no decorrer deste texto, o departamento de Recursos Humanos passa por constantes transformações. Agora, mais do que nunca, o cenário das empresas é outro, e fatores como o trabalho remoto (home office) se tornam fundamentais para a continuação dos negócios. Além disso, a humanização e o uso de novas tecnologias vieram para ficar.

Mas, qual será o real impacto de todas essas tendências? Podemos dizer de antemão que um dos mais visíveis é, de fato, uma maior importância para a área de RH. Em outras palavras, isso quer dizer que sem esse setor bem-estruturado na empresa, qualquer ação que vise novos formatos será um pouco mais trabalhosa para tirar do papel.

Para entender melhor, veja algumas dessas tendências:

  • Experiência do colaborador: está cada vez mais em voga o quanto o trabalho precisa andar lado a lado com a vida pessoal dos profissionais. Trabalho remoto, flexibilidade de horários, abertura para novas ideias, entre outros, são algumas das tendências mais fortes que o RH trará daqui para a frente;
  • People Analytics: com uma ferramenta moderna e tecnológica, o RH pode ter uma postura mais ativa para ajudar e apoiar a equipe. Além disso, a análise de dados ajuda como ninguém na análise de perfis mais certeiros para determinadas funções;
  • Planos de carreira: o mercado está repleto de bons profissionais. E quando mais comprometido e experiente ele é, mais expectativa tem em uma empresa que investe em planos de carreira. E o papel do RH nesse sentido é mais do que fundamental;
  • Gamificação: se usamos mais a tecnologia, isso também deve fazer parte das estratégias de desenvolvimento dos colaboradores. Além do mais, a gamificação é uma ótima forma de proporcionar aprendizado por meio interessantes, dinâmicos e interativos;

Diante de todas essas informações e cenários do mercado, você consegue perceber agora a importância do departamento de Recursos Humanos? Lembre-se de que esse setor pode fazer toda a diferença no seu negócio, atuando de forma mais direta e rápida no trato com o seu bem mais precioso: seus profissionais.

Não hesite em investir nesse setor, pois com maior artifícios para conseguir atrair e reter talentos, as chances de sucesso da sua empresa passam a ser muito maiores! Então, guarde esse material e use sempre que precisar. Mas, tenha em mente que o seu RH é um dos seus maiores aliados.

Gostou do nosso conteúdo? Aproveite e compartilhe nas suas redes sociais!

Lembre-se de compartilhar este artigo!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Receba as últimas novidades sobre treinamentos e desenvolvimento humano

tudo sobre desenvolvimento de pessoas, capacitação & RH.

Mais do Portal

ser proativo

Descubra como ser proativo

O que significa ser proativo. O que fazer para desenvolver a proatividade. Como saber se você tem iniciativa. Entenda a diferença entre ser proativo e reativo.

employee experience

O que não é Employee Experience

O que Employee Experience não é, significado, exemplos, vantagens, employee branding, employee journey, experiência do funcionário, implementação e guia.

ser proativo

Descubra como ser proativo

O que significa ser proativo. O que fazer para desenvolver a proatividade. Como saber se você tem iniciativa. Entenda a diferença entre ser proativo e reativo.

Conheça um de nossos treinamentos pela voz do nosso CEO.
Vídeo online sem interação humana.

Assistir agora

Fique por dentro dos próximos treinamentos, webinários ao vivo e programe-se para participar de algum deles no melhor momento para você.

Agendar

Quer mais informações?
Descubra como o Google, Facebook, Bradesco, Syngenta e outros clientes tem investido na formação de seus líderes e como você pode trazer nossas metodologias para sua empresa.

Solicitar contato