Execução

Principais fraquezas de uma empresa & análise Matriz Swot

Conhecer as principais fraquezas de uma empresa é uma das melhores maneiras de otimizar o planejamento, melhorar a comunicação interna e alinhar os objetivos dos colaboradores aos da organização. Essa é apenas uma parte de uma estratégia bastante disseminada no mundo corporativo — a análise SWOT.

Por isso, neste conteúdo mostraremos quais são os principais pontos fracos de uma companhia e como o departamento de RH pode fazer para contorná-los. Se você quer saber como fazer isso na sua empresa, acompanhe a leitura do artigo para conferir!

Quais são as principais fraquezas de uma empresa?

Para utilizar o potencial da organização, é preciso primeiro conhecer as suas fraquezas e desafios. Somente com a implementação de medidas corretivas e a otimização das políticas internas é que a empresa pode se tornar mais competitiva em seu mercado de atuação.

A seguir, mostraremos os principais pontos que podem colocar a existência de uma empresa em risco.

Objetivos indefinidos

Definir claramente os objetivos não é um mero capricho, mas sim um pré-requisito para qualquer negócio de sucesso, assim como traçar um planejamento para que eles possam ser alcançados. Quando essa sistematização não integra a cultura organizacional, é muito mais fácil perder o controle sobre o caminho a ser percorrido e o destino pretendido.

Por isso, uma equipe que poderia gerar ótimos resultados em conjunto acaba se tornando uma fraqueza da organização apenas por falta de orientação. Cada colaborador defende interesses que divergem entre si e, por essa razão, não ajudam a empresa a chegar a lugar algum.

Equipe não engajada

A falta de envolvimento dos funcionários também pode gerar sérios problemas de comunicação interna, a ponto de comprometer o desempenho da equipe como um todo, colocando os resultados da empresa em risco. Um dos principais fatores que gera esse tipo de gargalo no cotidiano operacional são a falta de investimento no clima organizacional e a má gestão de pessoas.

A soma de um ambiente de trabalho hostil e a falta de um bom líder, fazem com que os funcionários se sintam inseguros na empresa e passem a ver seus colegas como concorrentes, gerando uma competitividade insalubre. Dessa maneira, eles não conseguem se sentir parte de um time que trabalha junto e prejudicam a todos.

Cultura da empresa mal trabalhada

Outro aspecto que coloca muitas organizações em cenários complicados por falta de atenção às particularidades de cada membro que integra o time de empregados é não estabelecer a cultura da empresa adequadamente. A cultura serve justamente para nortear os objetivos de todos em uma mesma direção.

Uma companhia é como um organismo. Para sobreviver e gerar bons resultados, precisa que todos os departamentos funcionem em sintonia e em alinhamento aos objetivos e valores da organização. A falta de investimento em treinamentos e ações que ajudam a fixar os conceitos da empresa pode ser a causa de muitos colaboradores não "vestirem a camisa" da marca.

Desconhecimento do mercado

Não conhecer profundamente o segmento em que sua empresa atua é um dos motivos que leva tantas empresas a falirem antes dos primeiros cinco anos de existência. O empreendedor que não conhece seu público-alvo e não domina os produtos ou serviços que oferece, certamente não sabe lidar com a concorrência e tampouco fazer projeções de cenários futuros e se antecipar às tendências de consumo.

Dessa forma, ele deixa de se posicionar de uma maneira competitiva, perdendo a atenção do seu público-alvo e também ótimas oportunidades de negócios com investidores e até mesmo fornecedores. Por isso, para atuar em um determinado mercado é preciso, sobretudo, dedicar-se a conhecê-lo melhor.

Funcionários despreparados

O mercado está cada vez mais competitivo tanto para as empresas quanto para os trabalhadores, que precisam estar cada vez mais preparados para não perderem posição para seus concorrentes. Esse preparo deve iniciar, principalmente, pela equipe interna.

Considerando que os colaboradores são os recursos de maior valor de uma organização, quando eles não têm o preparo e as qualificações necessárias para lidar com os desafios do setor, significa que a empresa não tem as ferramentas para sobreviver em um panorama tão acirrado. Investir em qualificação é, indiretamente, uma forma de apostar em melhores entregas para o cliente final.

Falhas na infraestrutura

A infraestrutura é o que permite que uma empresa exista no campo operacional. É nela que os colaboradores se sentam e trabalham com atividades diárias. Por isso, você precisa investir em uma estrutura adequada para a execução do trabalho.

Caso você não disponha de um escritório devidamente equipado ou que faltem recursos importantes, saiba que existem alternativas. Os coworkings e a economia colaborativa estão aí para oferecer inúmeras soluções vantajosas e por um custo-benefício bastante atrativo.

Falta de controle

A falta de controle sobre as informações internas é um dos erros que mais ameaçam uma empresa. O controle e o monitoramento é o que gera informação para uma gestão eficiente. Sem eles, não há como conhecer os parâmetros que indicam:

  • o quanto a empresa está vendendo;
  • quais são os custos para ela continuar operando;
  • quais são os índices de rotatividade de funcionários;
  • como o desempenho da equipe tem oscilado nos últimos meses;
  • entre outros.

Tudo aquilo sob o que a empresa tem controle pode ser ajustado por ela. Isso significa que se os custos estão altos, ela pode decidir onde efetuar cortes pontuais; se a rotatividade está alta, ela pode adotar estratégias de gestão de pessoas; e assim sucessivamente.

Falhas na gestão

Uma empresa mal gerenciada é como uma sinfonia mal orquestrada — ela desagrada e espanta o público. Por isso, é preciso investir em ferramentas, técnicas e habilidades que ajudem o gestor a desenvolver uma visão holística do negócio, voltada para resultados e focada, principalmente, em dados.

A tecnologia já coloca à disposição uma série de recursos que facilitam o dia a dia, contribuindo para o controle e monitoramento de informações, além da emissão de relatórios atualizados e outros dados muito relevantes para a tomada de decisão. A partir disso, é possível criar uma gestão eficiente e que esteja constantemente aperfeiçoando seus próprios processos.

Falta de diferenciais

A concorrência de mercado é um fator que merece a atenção constante de qualquer gestor. A todo momento, novas empresas estão iniciando, tecnologias estão sendo desenvolvidas e soluções estão sendo adotadas por outras companhias que atuam no mesmo segmento que o seu. Não acompanhar tudo isso é, de certa forma, uma concessão de clientes.

Se você não trabalha com a sua empresa para que ela tenha diferenciais competitivos valiosos, o seu produto ou serviço será apenas mais um no mercado. Com isso, você fica à mercê das principais oscilações na economia, além de sofrer muito mais os impactos provocados pelos concorrentes.

Como melhorar as questões citadas?

Agora que você conhece as principais fraquezas de uma empresa, mostraremos como agir para reduzir ou eliminar os fatores que podem colocar os resultados em risco. Entre as medidas que o RH pode implementar, podemos citar:

  • investir no treinamento dos colaboradores: como já foi dito, os funcionários são as ferramentas mais importantes da empresa. Para vencer os desafios do mercado, é preciso ter uma equipe altamente qualificada e experiente;
  • aperfeiçoar a liderança: da mesma forma que é necessário treinar o time operacional, os líderes também precisam saber como agir diante das questões que integram a rotina da organização;
  • melhorar a comunicação interna: funcionários engajados são mais produtivos. Sendo assim, a comunicação interna é um dos aspectos de maior relevância a serem trabalhados;
  • apostar na inovação: ter uma empresa inovadora é a melhor estratégia de diferenciação que você pode adotar, aperfeiçoando processos e produtos;
  • qualificar os processos internos: reduza e elimine o máximo de falhas possíveis nos processos internos da sua empresa e ganhe eficiência com isso.

Por que é importante que o RH faça uma Matriz SWOT?

SWOT é a sigla para Strengths, Weaknesses, Opportunities e Threats — Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças, em tradução livre. O termo é uma referência ao conjunto de características que compõem uma empresa. Matriz de SWOT é como nos referimos à técnica de gestão que exerce um dos pilares mais importantes na estratégia das companhias que a utilizam.

Consiste, basicamente, em uma ferramenta de planejamento que pode ser aplicada tanto em empresas de grande porte quanto por microempresas e, até mesmo, os microempreendedores individuais.

Composta por quatro quadrantes, a Matriz de SWOT define os principais aspectos de uma organização (forças, fraquezas, oportunidades e ameaças), como já foi dito. É uma maneira de destacar os pontos mais relevantes para a estratégia da empresa, desde questões internas a externas que estão relacionadas ao mercado.

Como montar uma Matriz de SWOT?

O primeiro passo é definir quais os pontos fortes e fracos pertinentes à ambientação interna da empresa, ou seja, tudo que está ao alcance da organização, como a gestão da equipe de colaboradores e a comunicação interna e, pelo outro ponto da matriz, é preciso fazer uma análise do ambiente externo da companhia.

Depois, as oportunidades que existem no mercado devem ser observadas, assim como a expansão da linha de produtos ou serviços, chances de conquistar novos consumidores e tudo mais que pode gerar receita e agregar valor ao negócio.

Por fim, é importante analisar também as ameaças que a empresa pode sofrer, como queda no padrão de consumo e novos concorrentes para o mesmo segmento, por exemplo.

Como a Matriz SWOT pode ser útil para o RH?

O time de colaboradores está diretamente ligado às forças e fraquezas de uma empresa, já que os resultados do negócio dependem de seu nível de produtividade, mas conflitos internos são problemas que podem ser desencadeados pela má gestão dos recursos humanos da organização.

Nesse contexto, a Matriz SWOT pode ser utilizada para identificar quais são os aspectos que estão causando falhas de comunicação entre os membros da equipe, desmotivação e que estão afetando o desempenho individual e coletivo.

Com isso, o RH pode identificar os pontos fortes de cada funcionário e fazer um remanejamento de funções ou aplicação de medidas estratégicas — como treinamentos — de modo que cada profissional tenha o seu potencial máximo utilizado em prol dos benefícios da organização.

Como você pôde conferir, os principais desafios de uma empresa podem ser vencidos com a implementação de boas práticas pelo setor de RH. Além disso, mostramos como a Matriz de SWOT é uma ferramenta importante nessa empreitada.

Agora que você já conhece as principais fraquezas de uma empresa, que tal dividir com a gente o que mais chamou a sua atenção neste conteúdo? Conte-nos nos comentários!

Fique informado ao assinar a Newsletter Aspectum

Obrigado! Seus dados foram recebidos com sucesso.
Oops! Algo deu errado. Favor tentar novamente.
Junte-se a milhares de pessoas que recebem dicas sobre crescimento humano, hábitos de alta performance, habilidades de diálogo e liderança de equipes.