Performance

Guia Completo: Ambiente de Aprendizagem

Guia Completo: Ambiente de Aprendizagem

Ninguém duvida que aprender é essencial para o ser humano. Desde os nossos primeiros dias de vida, estamos em constante aprendizado, compreendendo como sobreviver e também habilidades que vão fazer a diferença na nossa forma de agir no mundo.

Contudo, engana-se quem pensa que esse processo de aprender termina com o fim da fase escolar — ao menos, não deveria ser assim. Quando nos tornamos adultos, por exemplo, precisamos continuar nos aperfeiçoando para fazer parte do mercado de trabalho, seja com o objetivo de ingressar nele, manter a nossa posição ou subir novos degraus.

Como você deve imaginar, esse ambiente de aprendizagem voltado para os profissionais não precisa se limitar às universidades e demais instituições de ensino, que se dedicam a oferecer cursos de especialização, mestrados, MBAs, doutorados, entre outros. A própria empresa pode (e deve) apostar nessa disseminação do conhecimento dentro do seu ambiente.

As formas de colocar essas ações em prática são mais simples do que você imagina, e os benefícios são inúmeros, tanto para as equipes quanto para a empresa. Para saber mais sobre o assunto e descobrir como desenvolver esse ambiente de aprendizagem na sua empresa, continue lendo!

O que é aprendizagem organizacional?

Como o próprio termo já sugere, a aprendizagem organizacional diz respeito àquilo que é aprendido sobre a profissão que é desenvolvida, dentro ou fora do local de trabalho. São os novos conhecimentos e habilidades que vão sendo absorvidos pelos colaboradores de diversas formas.

Vale ressaltar, aqui, que não é preciso necessariamente que esse conhecimento seja transmitido de uma maneira formal para ser considerado como aprendizagem organizacional. Isso porque mesmo sem a formalização dessa forma de transmissão de aprendizado, os profissionais seguem aprendendo em seus ambientes de trabalho, seja por meio do exemplo dos seus colegas e líderes, por meio dos erros ou por causa da própria experiência.

Certamente, esses conhecimentos que são absorvidos no dia a dia de trabalho são fundamentais para o desenvolvimento do colaborador, mas não dispensam a criação de um ambiente de aprendizagem formalizado, estruturado de acordo com o perfil do time, os processos executados e as demandas das empresas. A estratégia de aprendizado organizacional ideal, inclusive, é uma união desses saberes formais e informais, que vão fazendo com que a empresa crie o seu próprio modelo de gestão.

Podemos destacar, portanto, alguns processos de absorção de conhecimento que compõem a aprendizagem organizacional. Veja só:

  • experiências do próprio profissional, com os seus erros e acertos no dia a dia de trabalho;
  • troca de conhecimento com os colegas e líderes;
  • aprendizagem cultural, que está relacionada com a transmissão da missão e dos valores da empresa para o time;
  • aprendizagem ativa (ou prática), que acontece após um plano de treinamento e desenvolvimento teórico;
  • aprendizagem sistêmica, que envolve não apenas o setor de atuação do profissional, mas tudo o que acontece na empresa, como um todo;
  • benchmarking, que se trata da observação de outras empresas, a fim de aplicar as suas boas práticas no próprio negócio.

Qual é a importância de desenvolver uma cultura de aprendizagem?

Como você pôde perceber, o aprendizado dentro de uma empresa acontece de várias maneiras, mas a eficiência do processo profissional é inquestionável.

Como dissemos, investir no treinamento e desenvolvimento de pessoas traz inúmeros ganhos para a organização e também para o time — e isso vai muito além da própria evolução das competências técnicas do profissional, que são chamadas de hard skills.

Por meio de um ambiente de aprendizagem, é possível desenvolver as chamadas soft skills, que são as habilidades relacionadas ao comportamento organizacional de um indivíduo. Ao aperfeiçoar, por exemplo, a inteligência emocional dos profissionais, por exemplo, é possível ter um time mais alinhado, com menos conflitos e, consequentemente, que entrega resultados melhores e mais rápidos.

No entanto, esse é apenas um dos pontos positivos dos ambientes de aprendizagem dentro das empresas. Confira vários outros benefícios que a sua empresa pode ter ao elaborar um cronograma de qualificação de acordo com a sua própria realidade e necessidades de melhorias a curto, médio e longo prazo.

Disseminação de conhecimento

Em qualquer forma de comunidade, todos os membros ganham quando o conhecimento é disseminado, principalmente o conjunto. Se em uma aldeia antiga, por exemplo, muitas pessoas aprendem a fazer fogo (em vez de só um indivíduo manter o segredo dessa habilidade consigo), várias famílias são beneficiadas, vão conseguir se aquecer e se alimentar melhor. Por consequência, todos serão mais fortes, mais capazes de se protegerem e de prosperarem — inclusive junto àquele primeiro membro que disseminou o conhecimento.

No universo corporativo, o cenário não é muito diferente. Com profissionais mais bem treinados em todos os setores da empresa, o negócio tende a ser beneficiado de forma generalizada: os processos vão fluir de forma mais rápida e dinâmica, a qualidade do produto final vai aumentar e vários problemas do dia a dia serão evitados, como conflitos, demissões etc.

Economia de recursos

Vale a pena observar que todos esses ganhos citados acima levam a um mesmo resultado: a economia de recursos. Isso porque na linha de produção, por exemplo, colaboradores mais preparados vão causar uma perda menor de material ou matéria-prima (a depender do setor da empresa).

Da mesma forma, procedimentos que acontecem de uma forma mais rápida permitem uma produção maior quantitativamente. A própria retenção de talentos traz uma economia considerável para os cofres da organização, como veremos no próximo tópico.

Ou seja, sempre que você ou outro gestor responsável considerar a implantação de um ambiente de aprendizagem como um gasto, avalie todas essas questões e veja que se trata, na verdade, de uma enorme economia de recursos.

Retenção de talentos

Como acabamos de dizer, a retenção de talentos é um dos grandes benefícios que são percebidos quando uma empresa investe no desenvolvimento de seus profissionais — e isso acontece por motivos claros e nem tão claros assim.

Os mais óbvios é que, por meio dos novos conhecimentos adquiridos, o profissional pode crescer dentro da própria organização, não precisando buscar oportunidades em outros lugares nem vendo despertar o desejo de se desligar da empresa por estar se sentindo estagnado.

A vantagem menos palpável está relacionada à motivação desse colaborador. Cada vez mais, os profissionais do mercado de trabalho atual almejam mais do que uma carreira sólida e salários: eles querem se sentir valorizados, ouvidos e respeitados. Uma das formas que a corporação tem de mostrar que percebe esse valor é investindo nas suas equipes.

Os resultados desse investimento e de um time motivado são o aumento da produtividade e do engajamento, o ambiente de trabalho agradável, as novas ideias que podem surgir da própria equipe e, claro, a retenção de talentos. Essa retenção, por sua vez, beneficia a empresa com profissionais que já conhecem os processos, com procedimentos mais fluidos, com um capital intelectual cada vez maior e, como já dissemos, com a redução dos gastos relacionados às demissões e aos processos relacionados às novas contratações.

Desenvolvimento de novas competências

Assim como a sociedade não é estável, o universo corporativo também não é. Novas necessidades surgem, bem como formas diferentes de fazer as coisas. A tecnologia, por exemplo, transformou (e ainda transforma) radicalmente os processos de muitas empresas ao redor do mundo.

Para que uma empresa possa se manter competitiva em seu mercado, é fundamental que ela se ajuste a essas novidades. Para que o time possa continuar entregando os melhores resultados, ele precisa absorver novas competências constantemente.

Sejam novas máquinas que chegaram à linha de produção de uma indústria, uma tecnologia que foi inserida na logística de uma empresa de entrega ou um novo ingrediente que surgiu na cozinha de uma confeitaria. Oferecer o treinamento adequado vai fazer com que a competência necessária seja desenvolvida da forma certa — o que rapidamente vai se converter em agilidade e qualidade.

Imagine, por exemplo, a máquina que citamos, que chegou à linha de produção: é possível ligá-la e deixar que os profissionais descubram como ela funciona? Sim. Mas os riscos de avarias, perda de material e de tempo são enormes. Até mesmo os conflitos e a desmotivação podem surgir, gerando uma resistência por parte da equipe que pode ser difícil de solucionar mais tarde.

No entanto, se ao contrário, um treinamento teórico e, posteriormente, prático, for oferecido, os colaboradores já vão chegar até a máquina sabendo como proceder, tornando todo o processo mais simples.

Estímulo à inovação organizacional

Este é um tópico que está diretamente relacionado ao que acabamos de falar: a inovação organizacional é, em poucas palavras, o desenvolvimento de um novo método dentro da empresa, seja em seus procedimentos, práticas, relações externas, organização do trabalho etc.

Quando essa inovação é aplicada, ela é capaz de ajudar a potencializar a gestão de todos os setores por meio da tecnologia e também de outros recursos. É claro que para que a inovação organizacional aconteça, é preciso que a empresa esteja aberta para uma mudança estrutural, já que tais práticas podem vir desde a raiz, influenciando os fluxos de trabalho e o produto final.

Como é possível imaginar, um ambiente de aprendizagem constante e eficiente leva, naturalmente, a esse processo de inovação, pois os novos conhecimentos adquiridos tendem a inspirar as pessoas, trazendo mudanças de acordo com os novos cenários empresariais.

Aumento do desempenho e da produtividade

O aumento do desempenho e da produtividade da equipe é outro ponto que já foi brevemente abordado entre os benefícios do aprendizado na empresa.

Vale lembrar que o treinamento nas empresas, assim como os demais recursos relacionados, podem ser oferecidos aos colaboradores de qualquer nível hierárquico. Afinal, além da grande equipe, os líderes e gestores também precisam estar em constante atualização. Assim, todos poderão oferecer o melhor desempenho de acordo com as suas capacidades e habilidades, o que vai refletir diretamente na produtividade da empresa.

Nesse sentido, entre os fatores que são influenciados pelo ambiente de aprendizagem, podemos destacar:

  • a adaptação dos colaboradores a novas realidades;
  • a possibilidade de moldar atitudes;
  • o aproveitamento máximo da capacidade de cada um;
  • o remanejamento os profissionais, percebendo que eles poderiam ser mais bem aproveitados em outros trabalhos de acordo com as suas habilidades;
  • o aumento da motivação do time, seja pela percepção da valorização ou pelos novos conhecimentos adquiridos;
  • o estímulo do espírito de liderança e de pertencimento;
  • a otimização da comunicação e a integração, inclusive entre departamentos diferentes.

Como implementar um ambiente de aprendizagem na empresa?

Agora que você já sabe o que é um ambiente de aprendizagem e quais são os benefícios a curto, médio e longo prazo que ele pode trazer para os colaboradores e para a empresa, pode estar se perguntando como implementá-lo na realidade da companhia?

Em meio a um turbilhão de informações e possibilidades (como os treinamentos presenciais, os cursos on-line e as diversas formas como esses conteúdos podem ser transmitidos e consumidos), é natural que o gestor ou a equipe de Recursos Humanos tenha dúvidas sobre qual é o melhor caminho a seguir.

Antes de mostrarmos algumas dicas de como fazer essa implementação com sucesso, vamos salientar a importância de perceber as necessidades e os objetivos da empresa, bem como o perfil do próprio negócio e também dos colaboradores. Afinal, para oferecer os conteúdos mais acertados, é preciso conhecer os pontos fortes e fracos do empreendimento, e também o que é mais ou menos urgente etc.

Definidas essas questões dentro da empresa, veja o que considerar para ter sucesso na criação do seu ambiente de aprendizagem.

Desenvolver uma comunicação aberta e transparente

Nesse cenário de aprendizagem, vários conceitos e formas de comunicação devem ser considerados, a fim de não haver ruído em nenhuma etapa do processo.

Primeiramente, se a empresa ainda tem essa cultura de ambiente de aprendizagem, informe aos colaboradores sobre o que ela é, como acontece, quais são os benefícios, por que a companhia está investindo nisso etc. Dessa forma, as principais dúvidas vão ser esclarecidas, e os colaboradores não vão enxergar os treinamentos como algo negativo: em vez de pensarem "vamos ser treinados porque estamos fazendo um trabalho ruim" eles vão pensar "que ótimo! A empresa está investindo no nosso desenvolvimento e todos os processos vão melhorar!"

Assim que o conceito de ambiente de aprendizagem for captado e os treinamentos forem começar, faça uma boa divulgação dos eventos, garantindo a participação dos profissionais convocados. Aproveite a oportunidade para reforçar positivamente a importância do curso, além de informações práticas, como data, horário e local (se for um evento físico), data e horário (se for virtual), além de links para entrar na sala de aula, acessar o conteúdo etc.

Por fim, mas não menos importante, não esqueça de uma parte fundamental de qualquer comunicação: o retorno. Dê liberdade para que a equipe possa dizer o que achou dos cursos, se o aprendizado está sendo realmente útil no dia a dia de trabalho, se existe algo que pode ser colocado no programa, entre outros pontos que podem melhorar ainda mais a qualidade do aprendizado.

Ter lideranças transformadoras

Uma liderança transformadora é aquela que tem como características a inspiração, o carisma, a consideração individualizada e a estimulação intelectual. Apenas ao ler esses conceitos é possível perceber como essas pessoas são fundamentais para o sucesso do ambiente de aprendizagem, não é mesmo?

Além de incentivar as suas equipes, aumentando o engajamento, esses profissionais são os mais indicados para ajudar os colaboradores a colocarem em prática tudo o que acabaram de aprender no treinamento.

Essas lideranças serão peças-chave na motivação e no desempenho do grupo, e também poderão atuar como ponte nos processos de comunicação — seja orientando o acesso aos conteúdos on-line ou levando os feedbacks dos alunos aos responsáveis.

Tornar a aprendizagem uma iniciativa estratégica

Uma iniciativa estratégica pode ser entendida como um projeto criado para atingir objetivos pré-definidos. Trata-se da necessidade de planejamento e organização do qual já falamos, mas vale a pena destacar.

Investir em ambientes de aprendizagem é sempre uma boa iniciativa, mas é essencial que eles tenham um foco bem-definido, para que sejam mais bem aproveitados e tragam os resultados esperados.

Se a sua equipe apresenta dificuldades em se relacionar, por exemplo, pouco vai adiantar oferecer como primeiro treinamento um curso que aborda habilidades técnicas específicas. Nesse exemplo, uma capacitação que explore as soft skills é uma iniciativa estratégica mais eficiente.

Identificar colaboradores especialistas

Uma ótima forma de engajar os colaboradores é aproveitar os próprios profissionais para ajudar a disseminar o conhecimento. Aqueles membros que são especialistas no assunto podem compartilhar o que já sabem, fazendo com o que treinamento fique ainda mais próximo da realidade da equipe.

É possível convidar esses profissionais para ministrarem workshops ou gravarem uma aula, por exemplo, e também convidá-los para falar sobre a sua experiência em um dos dias do treinamento. Melhor ainda se esses especialistas contarem com a simpatia dos seus colegas, o que vai ajudá-los a tornarem-se fontes de inspiração.

Diversifique as formas de aprendizado

As tecnologias existentes hoje em dia possibilitam as mais diversas formas de aprender — dentro e fora do universo corporativo. Não por acaso, as próprias escolas estão apostando em novas possibilidades de divulgar os seus conteúdos, a fim de atrair a atenção dos alunos e engajá-los. Entre as mais comuns, é possível citar:

  • apresentações, por meio de palestras ou bate-papos;
  • dinâmicas, que estimulam a participação ativa dos alunos;
  • vídeo-aulas, que garantem o fácil acesso a qualquer hora e em qualquer lugar;
  • gamificação, que traz o universo sempre bem-vindo dos games para o conteúdo que está sendo explorado;
  • mentoria reversa, que ocorre quando um profissional mais novo e um mais velho são colocados juntos para trocarem conhecimentos.

Oferecer treinamentos de qualidade

A essa altura, você já percebeu o quanto os treinamentos são fundamentais para o desenvolvimento da equipe e, consequentemente, a sobrevivência da empresa, independentemente do seu tamanho e área de atuação.

Mas tão importante quanto selecionar os formatos de cursos que serão mais eficazes para a realidade da organização é garantir que esses treinamentos sejam de qualidade, tanto em relação ao próprio conteúdo como os profissionais que os ministram, a atualização e diversos outros fatores.

A Aspectum, por exemplo, é uma empresa de treinamento in company com foco e experiência em treinamentos comportamentais corporativos e melhoria da performance organizacional. São mais de 30 anos de pesquisas para oferecer metodologias premiadas nos mais diversos campos, como:

  • conversas cruciais;
  • compromissos cruciais;
  • princípios da influência;
  • o poder do hábito.

Vale destacar que a Aspectum tem capacidade para atender a empresas de todo o Brasil, e entre os seus clientes atuais estão os globais (empresas multinacionais) e também os brasileiros.

Por fim, não se esqueça de criar uma forma de acompanhamento desses treinamentos, antes, durante e depois de seus acontecimentos. Previamente, aposte em um bom planejamento, que vai abordar participantes, prazo de duração, resultados esperados e investimento financeiro necessário.

Enquanto o curso acontece, fique atento ao conteúdo que está sendo ofertado e se ele realmente está adequado às necessidades e expectativas da empresa. Também esteja aberto para os feedbacks dos participantes e pronto para mudar de rota, se for preciso.

Após a conclusão do treinamento, avalie se a equipe realmente aproveitou a capacitação e desenvolveu as habilidades esperadas. Perceba se, consequentemente, os resultados esperados foram alcançados, como o aumento da produtividade, a redução do desperdício, a melhoria do clima organizacional etc.

Afinal, por que definir uma estratégia de aprendizado digital para a sua universidade corporativa? A resposta é simples: investir em um ambiente de aprendizagem é, hoje, mais do que um diferencial competitivo — o que já seria importantíssimo para qualquer empresa. Trata-se de uma solução que vai desenvolver e valorizar ainda mais o bem mais precioso de qualquer organização: o capital humano.

Para tanto, os treinamentos são fundamentais, pois têm a capacidade de promover o desenvolvimento das habilidades técnicas e comportamentais ao mesmo tempo que aumenta a motivação, o engajamento e o interesse dos colaboradores em suas atividades. Os resultados podem ser vistos tanto na produtividade e na qualidade do produto final da empresa quanto na economia de recursos. Ou seja, é uma iniciativa que se paga em pouquíssimo tempo.

Neste conteúdo, você pôde perceber a importância de investir no treinamento dos seus colaboradores, independentemente das suas funções. Além disso, conheceu a Aspectum. Para saber mais sobre a nossa plataforma educacional digital que ajuda líderes e organizações a desenvolverem o seu potencial humano, entre em contato com a nossa equipe!

Fique informado ao assinar a Newsletter Aspectum

Obrigado! Seus dados foram recebidos com sucesso.
Oops! Algo deu errado. Favor tentar novamente.
Junte-se a milhares de pessoas que recebem dicas sobre crescimento humano, hábitos de alta performance, habilidades de diálogo e liderança de equipes.