Comunicação

Você sabe a real importância das relações interpessoais?

Você sabe a real importância das relações interpessoais?

O ser humano é, por natureza, um ser social — isso implica em lidar constantemente com diferentes personalidades. No entanto, conduzir relações interpessoais nem sempre é fácil, já que os comportamentos alheios podem nos afetar de forma negativa ou positiva, dependendo do momento e de outros fatores.

Normalmente, quando falamos em relacionamentos, logo imaginamos os amorosos e as amizades, mas a verdade é que eles vão muito além desses conceitos. No ambiente corporativo, por exemplo, os relacionamentos profissionais entre colegas de trabalho são muito importantes e merecem atenção especial.

Dada a importância do tema, neste artigo, vamos abordar o que são as relações interpessoais, a importância delas nas organizações e apresentar dicas de como desenvolver essa capacidade. Então, fique conosco para saber mais sobre o assunto!

O que são as relações interpessoais?

A Psicologia e a Sociologia definem as relações interpessoais como um vínculo ou conexão entre as pessoas em determinados locais e circunstâncias. Sendo assim, elas existem em uma infinidade de momentos, junto aos familiares, no trabalho, nos ambientes religiosos etc. e são fundamentais para o desenvolvimento pessoal, e profissional de todo indivíduo.

Embora os relacionamentos interpessoais sejam extremamente complexos, sabemos que é da natureza do ser humano estar sempre ligado a alguém. Devido à nossa necessidade natural de buscar a constante troca de conhecimentos, emoções e energias com os demais.

Como desenvolver essa capacidade?

Tendo em mente o conceito, é importante buscarmos o desenvolvimento dessa capacidade — e existem alguns fatores e ações que são essenciais nessa jornada.

O autoconhecimento, por exemplo, é uma peça-chave para melhorar a habilidade de se relacionar com outras pessoas. Isso porque, quando não sabemos quem realmente somos ou não temos compreensão das nossas emoções, tendemos a sabotar frequentemente relações interpessoais — é aí que surgem desentendimentos e estresse com familiares, amigos e colegas de trabalho.

Dessa maneira, para termos uma boa capacidade de relacionamento interpessoal, precisamos, antes, compreender melhor os nossos sentimentos e anseios. Assim, muitos conflitos e problemas do dia a dia poderão ser evitados.

Como são as relações interpessoais no ambiente de trabalho?

Os resultados que uma empresa obtém dependem, diretamente, do relacionamento entre os seus colaboradores. Assim sendo, quando as suas equipes trabalham de forma sintonizada e harmoniosa, certamente, os efeitos na produtividade e na qualidade dos resultados serão percebidos.

Tudo isso influencia diretamente no ambiente corporativo. Impactando, por consequência, a capacidade organizacional de se colocar em uma posição de vantagem competitiva frente ao mercado.

Sendo assim, uma boa tática é promover o desenvolvimento das estratégias de relações interpessoais a partir de treinamentos comportamentais corporativos capazes de inovar na execução de atividades.

Qual a importância nas organizações?

Imagine um projeto em que todos trabalham juntos e empolgados dando sugestões. A tendência é que ele produza muitos frutos benéficos. Por outro lado, quando os colaboradores não respeitam as opiniões uns dos outros e não se sentem abertos a propor suas ideias, o projeto vai demorar bem mais para sair do papel. Se sair, com certeza não será em sua melhor versão.

Percebe como a qualidade das relações interpessoais pode afetar o ambiente de trabalho? Na melhor das hipóteses, uma equipe em desarmonia vai gerar problemas de baixa produtividade e falta de motivação. Para mudar essa situação, é preciso fortalecer o sentido de empatia, desenvolver lideranças na empresa e ter muita paciência.

Quais são os fatores que influenciam nas relações interpessoais?

Muitos podem ser os fatores considerados influenciadores nas relações interpessoais, mas alguns deles se destacam em meio aos demais. Podemos concordar que ter uma boa comunicação, uma interação construtiva, uma percepção clara sobre as relações e uma aproximação saudável são bastante importantes, não é?

Pois, então, chegou a hora de entender como cada um impacta os seus relacionamentos:

  • comunicação — o foco deve estar no desenvolvimento de habilidades de intercomunicação, dialogar de forma positiva, se expressar com clareza e ouvir de forma ativa e conectada;
  • interação — o objetivo é criar um espaço para que o outro também se expresse, para que sejam criados vínculos e conexões que favoreçam ambos os envolvidos;
  • percepção — aqui se trabalha para superar as próprias crenças, criadas a partir de experiências negativas com relacionamentos de qualquer natureza, vendo o lado bom das pessoas;
  • aproximação — a finalidade é transpor os medos e bloqueios que impedem um bom relacionamento, ou seja, é preciso ficar confortável para se relacionar.

Conseguir atingir esses fatores é o que vai proporcionar às equipes ou ao profissional uma vantagem competitiva no mercado, respeito e reconhecimento — mas não é só isso. Os benefícios para si também são bastante perceptíveis, o que inclui mais autoconhecimento, satisfação e um senso de pertencimento muito mais apurado.

A empresa também acaba se beneficiando bastante com profissionais mais focados na própria capacitação e no crescimento em conjunto, já que as relações são de apoio e cooperação. Com isso, também é possível perceber uma melhoria do clima organizacional, já que todos se tornam mais produtivos e motivados.

Inclusive, a mudança na produtividade é uma das mais notáveis. Isso se deve ao fato do desenvolvimento de uma atmosfera mais positiva em todo o ambiente de trabalho, o que afeta o psicológico dos colaboradores e contribui para o seu bom rendimento.

Quais são os pilares das relações interpessoais?

Você deve estar se perguntando: mas, afinal, existe alguma fórmula mágica para estabelecer boas relações interpessoais? Bom, não é uma receita de bolo, mas existem alguns pilares que, quando respeitados, facilitam bastante as coisas.

O primeiro deles diz respeito à empatia, à colocar-se no lugar do outro e a entender como ele se sente sobre determinada situação. É claro que cada pessoa é diferente, por isso, a forma como você interpreta uma coisa não é a mesma do seu colega de trabalho. No entanto, quando existe esse esforço para compreender o outro, se estabelece uma relação de respeito e cumplicidade.

Além disso, outro pilar importante é a preocupação em melhorar a sua abordagem. Como é que você se dirige às pessoas? Você adapta sua fala, tom de voz e posicionamento de acordo com o seu interlocutor? Isso também é importante e demonstra que você é um bom ouvinte, que se preocupa em, mais do que falar, ser compreendido.

O próximo pilar diz respeito a respeitar e abraçar as diferenças. Se cada um é de um jeito e possui uma personalidade, você é quem deve aprender a lidar de forma distinta com cada pessoa. Lembre-se, cada indivíduo pode contribuir com o seu crescimento como profissional e como ser humano, portanto, desconsiderar isso é o mesmo que perder uma ótima oportunidade.

O último pilar é bastante valioso e diz respeito a evitar discussões a todo custo. Se você precisa convencer alguém de que é preciso pensar diferente do que ele pensa, esse já é um debate perdido, pois, contra a vontade, ele sempre retornará a sua opinião inicial.

Portanto, ao sentir que uma discussão começa, seja gentil e apenas escute. Deixe para conversar com calma em outro momento ou, se possível, apenas deixe para lá.

Como ter relacionamentos saudáveis?

A complexidade de estabelecer relacionamentos saudáveis ainda é um aspecto da vida que assusta muitas pessoas, uma vez que instalou-se no inconsciente coletivo a crença limitante de que não é fácil ter relações honestas, confiáveis e de respeito. Entretanto, saiba que é possível, sim, construir relacionamentos saudáveis, tanto pessoalmente quanto no âmbito profissional.

Para isso, é preciso, primeiramente, aprender a ouvir para, só depois, dar opiniões. Além do mais, é preciso ter atenção a tudo o que se diz ao próximo: não podemos controlar o entendimento dos outros, mas podemos ser claros e objetivos para evitar um mal entendido, certo?

Como lidar com os pontos negativos das relações interpessoais?

Já sabemos que maus relacionamentos entre funcionários são responsáveis, em grande parte, pelo fracasso dos planos vislumbrados. Diante disso, algumas atitudes podem ser tomadas e outras evitadas para manter o equilíbrio dentro da organização. Veja abaixo alguns exemplos.

Respeite a história do outro

Da mesma forma que você já vivenciou diversas experiências pessoais ao longo da vida, com os seus colegas, isso também ocorre. Portanto, se você quer que respeitem as suas histórias, comece respeitando as dos outros. Esse aspecto está diretamente relacionado ao próximo item.

Seja prestativo e educado

O avanço da diversidade nas organizações é uma realidade que deve ser encarada positivamente. Por outro lado, o impulso natural das pessoas é de se abrir e colaborar mais facilmente com aqueles que compartilham da mesma visão de mundo, valores e cultura.

Diante disso, muitas vezes, as opiniões que são bem-aceitas em determinado grupo social podem soar agressivas e, até mesmo, excludentes para pessoas que tenham se desenvolvido em outro contexto.

Cabe ressaltar que a discriminação no trabalho é altamente prejudicial para todas as relações interpessoais. Afinal, a empresa deve ser um ambiente seguro para que cada um possa focar na obtenção dos resultados almejados e, portanto, a cordialidade tem papel crucial.

Mais do que demonstrar boa educação, procure estabelecer trocas humanas positivas, sendo prestativo com todos independentemente das diferenças que possa haver entre você e qualquer outra pessoa.

Esqueça os julgamentos

Quando pensar em fazer algum comentário maldoso sobre a atitude de alguém, lembre-se de que essa pessoa certamente teve alguma motivação para fazer aquilo. Logo, deixe os julgamentos de lado e tente exercer a empatia, colocando-se no lugar do outro. Se for necessário ajudar alguém a corrigir algum erro, faça isso também se despindo de preconceitos.

Desenvolva sua inteligência emocional

Esse tipo de habilidade está relacionada à compreensão das próprias emoções, o que é diferente de simplesmente negá-las. Mais do que a competência para resolver conflitos de forma diplomática, a inteligência emocional abrange a consciência de si mesmo e do outro, visando trocas humanas muito mais positivas.

De igual modo, saber como estabelecer uma comunicação clara e efetiva também é um fator que influenciará positivamente todos os processos decisórios. Outro aspecto bastante relacionado é desenvolver o entendimento das motivações. Afinal, cada pessoa tem seus próprios valores e, por isso, dá importância a eles de maneira própria.

Por exemplo, enquanto alguém pode ter uma atitude mais compreensiva em relação a um atraso de 15 minutos, outra pessoa pode encarar esse problema como uma atitude gravemente desrespeitosa.

Demonstrar inteligência emocional é, mais do que tudo, entender que todos somos diferentes e que o meu conjunto de prioridades nunca deve ser imposto ao outro, mas, sim, compartilhado na busca de entendimento. Essa postura favorece muito a construção de melhores relações interpessoais.

Invista em autoconhecimento

Você viu acima a importância do autoconhecimento para melhorar as relações interpessoais. Então, não deixe de investir nesse poderoso instrumento de aprimoramento social. Desenvolvendo a si mesmo, você conseguirá enxergar as situações de forma mais objetiva, além de fazer as mudanças e ajustes necessários para a melhoria das suas relações.

Demonstre se importar com as pessoas

A reciprocidade é um princípio muito acentuado no comportamento humano. Quando você recebe uma ação positiva vinda de outra pessoa, é natural o instinto de retribuir aquele benefício. Da mesma forma, ao demonstrar que se importa com as pessoas, consequentemente será acolhido de maneira mais receptiva e cuidadosa por quem você despertou essa troca positiva.

Saiba receber e fazer feedback construtivos

A compreensão de que o feedback é uma prática essencial no ambiente corporativo possibilita um ambiente de confiança e parceria entre os profissionais de uma equipe.

Antes de entender o que é o feedback, qual a maneira adequada de dar e receber, vamos estabelecer o que ele não é. Primeiramente, é importante saber que feedback não é crítica, da mesma forma que não deve ser visto como punição ou constrangimento a quem o receberá.

Um feedback é uma contribuição para o desenvolvimento do outro. Ele se afasta do impulso de julgar a pessoa, na verdade, envolve a observação de um comportamento específico cujo impacto causado talvez ainda não tenha sido adequadamente percebido por quem praticou a ação.

Ao apresentar um ponto de melhoria, nunca o faça em público. Do contrário, a pessoa se sentirá exposta e buscará uma atitude defensiva. Por isso, o momento em que o feedback é oferecido também precisa ser ponderado. Evite oferecer um feedback imediatamente após a ação ou demorar muito de forma que o contexto já tenha caído no esquecimento.

Melhorar as relações interpessoais é uma meta plenamente alcançável quando repensamos nossos hábitos negativos e adotamos novas atitudes. Com a ajuda de uma empresa especializada em treinamentos corporativos, esse processo tende a ser ainda mais rápido e efetivo.

Gostou das informações contidas neste artigo? Elas auxiliaram de alguma forma? Então, aproveite a sua visita para compartilhar este post nas suas redes sociais e ajudar seus amigos a melhorar seus relacionamentos também!

Fique informado ao assinar a Newsletter Aspectum

Obrigado! Seus dados foram recebidos com sucesso.
Oops! Algo deu errado. Favor tentar novamente.
Junte-se a milhares de pessoas que recebem dicas sobre crescimento humano, hábitos de alta performance, habilidades de diálogo e liderança de equipes.